A reflorestar o bosque poético.
Mantenham-se ligados!
Obrigado.

Feedback

Para mim é muito importante conhecer a vossa opinião sobre os conteúdos e formatos deste blog.
Por favor deixem as vossas criticas e sugestões.
Todos vós, leitores, fazem tão parte deste mundo como as palavras nele escritas.

Obrigado.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008


Sempre Só,
tão Só.

Nesta rua deserta
numa sina tão certa
descubro-me a mim:
Só.

A lua, eu
a noite e o breu
E eu; aqui
Só.

Sem nada nem ninguém
sem ir mais além
da solidão refém

E simplesmente "sem"
E Só.











(Imagem: Pixdaus - "Alone")

2 comentários:

Bucho disse...

oh homem...venham de la esses ossos pah!!
nunca se esta só, ha sempre algo dentro de nos que nos mantem vivos...pensa nisso!!

Fábio Pôla disse...

Nunca encontrei um companheiro que fosse tão bom companheiro como a solidão. LOL